DIA MUNDIAL DO TAROT – 25 Maio 2015

slide0001_image002DIA MUNDIAL DO TAROT

25 Maio 2015

Quando procurar iluminar a sua vida,comece pelo seu interior

slide0001_image004A ideia de criar o World Tarot Day foi de Den Helder, escritora, mestre de Tarot, fundadora da “The Church of Tarot” e também da International Society Helping Tarot, que desde 2003 propôs o dia 25 de Maio. A data tem vindo a ser aceite pela comunidade de Tarot e é celebrada por todo o mundo, de forma cada vez mais elaborada e entusiasta.

Tarot Mitológico – Descrição das cartas

O Tarot Mitológico/Mítico (The Mythic Tarot) foi criado por Liz Greene, Tricia Newell, Juliet Sharman-Burke.

Tricia, colaborou como pintora e artista plástica que é , com as ilustrações das cartas deste baralho. Greene e Sharman-Burke, são as mentoras deste projecto e colaboraram com os seus imensos conhecimentos e experiência que têm de psicologia, astrologia e tarot.

É representado por 78 cartas, onde aparecem deuses e deusas, semideuses, heróis e vilões da mitologia grega antiga. Publicado pela Fireside em 1986 e reeditado quase a cada dois anos depois.

As imagens do Tarot Mitológico expressam experiências e padrões humanos essenciais, operam como um espelho da psique. Pela natureza arquetípica das imagens, o simbolismo é trazido do inconsciente duma forma quase natural.

De seguida, descrevo o significado, das 22 cartas dos arcanos maiores deste baralho:


O LOUCO (DIONISO) – CARTA /ARCANO 0

A jornada começa com pelo mito do deus Dioniso, inconsciente e impulsivo, com vontade de viver e descobrir a vida, trajando peles de animais, deste modo, sugere, que o jovem apenas se guia pelo “instinto animal”. Duma forma ingénua, lá vai ele e na ponta do precipício prepara-se para mergulhar no desconhecido, tendo como protector, a águia do rei dos deuses (Zeus), em busca da sua individualidade, pelas 21 cartas do tarot, que só ele o pode fazer.

Dionísio simboliza aquilo que há de irracional dentro de nós, sob a forma instintiva e inconsciente, que faz provocar a mudança, faz trilhar novos caminhos e ampliar horizontes desconhecidos. Aqui o risco existe sempre mas como diz o povo, “Ao menino e ao borracho mete Deus a mão por baixo”, a hora da aventura começou.


O MAGO (HERMES) – CARTA / ARCANO 1

Na figura vemos Hermes com 4 elementos à sua disposição que significam 4 caminhos diferentes a seguir, representados pelo Caduceu que é uma espécie de varinha mágica do mágico (mago) qu tem 2 serpentes enroladas à volta da iluminação e representam o masculino/feminino, yin/yang, a noite e o dia, o fogo, o modo de acção, a energia sexual, ou o bastão curativo, tem também a espada, que representa o aspecto mental de Mercúrio (romanos) que foi um poder dado pelo seu pai Zeus, a moeda está relacionada com a matéria, com a terra, com a boa sorte na gestão das finanças, o cálice tem a haver com a emotividade, o coração, o amor. Estes 4 elementos são, paus, espadas, ouros e copas.

Sendo Hermes o deus dos viajantes, o Mago é o guia que nos auxilia na escolha dum caminho, os dons, habilidades e capacidades latentes que ainda não se manifestaram devem ser desenvolvidos. No nosso interior está a bússola orientadora a perscrutar o nosso inconsciente afim de podermos decidir intuitivamente nas escolhas a fazer. Os pressentimentos, intuições ou sensações vêm e, somo assim, impelidos a seguir insights  que nos levarão a possibilidades inexploradas.


A SACERDOTISA (DEUSA PERSÉFONE – Rainha das Trevas) – CARTA / ARCANO 2

A figura (deusa Perséfone – A Sacerdotisa) que aparece na carta, agarra uma romã que é considerada uma relíquia sagrada da natureza, a romã é utilizada desde a antiguidade e simboliza o amor, a vida, a união, a paixão, o sagrado, o nascimento, a morte e a imortalidade. A jovem que a segura tem cabelos compridos e vestido branco e na cabeça uma coroa dourada. Perséfone – A Sacerdotisa, representa a ligação entre o consciente e o inconsciente. É uma mulher muito espiritual, demonstra forças ocultas, segredos, e revela-nos esta sabedoria, é ela a chave de ligação ao mundo do inconsciente, onde estão as faces por descobrir da nossa personalidade. A Sacerdotisa, opera no âmago da alma, as coisas revelam-se duma maneira natural através de sentimento, da intuição e dos sonhos.

No sentido divinatório, significa o aumento dos poderes de intuição e implica em uma espécie de chamado para ir de encontro ao oculto, o inconsciente. Pode haver um interesse repentino pelo esoterismo, uma intuição forte de que algo esteja acontecendo ou uma revelação através de um sonho. A Sacerdotisa significa que algo que estava oculto quer se manifestar, ou que as respostas procuradas podem ser encontradas no caos do mundo interior.


A IMPERATRIZ ( DEUSA DEMÉTER OU CERES )  – CASA / ARCANO 3

Esta carta mostra uma mulher grávida, num campo de trigo com uma cascata atrás e um verde que indica fertilidade. No sentido divinatório, pode significar um casamento, um nascimento e aleitamento, abundância, instinto, gravidez e a experiência interior da Grande Mãe, ou seja, a descoberta do corpo como algo valioso. A cascata de água está relacionada com os sentimentos, as emoções, o campo de trigo sugere abundância da terra, o verde a fertilidade, todos estes assuntos são do âmbito da deusa Deméter (gregos) ou Ceres (romanos). Ceres era a deusa da terra, encarregada do ciclo agrícola e da colheita. Na cabeça, a imperatriz carrega uma coroa com formas de casas e castelos, que significa o lar, estável, seguro, lugar de paz e crescimento interno e duma maneira segura, num tempo adequado. Ela também é responsável pelos rituais, quaisquer que sejam, nomeadamente o casamento. No pescoço traz um colar com 12 pedras simbolizando os 12 signos do zodíaco.  Através da carta da impertriz e a sua relação com a Deméter, vemos a correspondência que assinala a consciência de sermos parte integrantes da vida natural que nos rodeia e todo a prazer que daí resulta, através das coisas mais simples da vida. A vida só pode ser gerada, quando a Grande Mãe estiver plenamente integrada dentro de nós, que dá frutos no exacto de dar frutos. A imperatriz é vida.


A JUSTIÇA ( DEUSA ATENA – GRÉCIA, MINERVA – ROMANA ) – CARTA / ARCANO 8

Na carta da justiça, a Atena está vestida de branco, sabemos que esta cor representa a pureza, e o xadrez do chão, o branco a luz e o preto a escuridão, duma forma ordenada e coerente. No ombro aparece uma coruja que representa o símbolo da justiça, pela clareza de visão porque consegue ver a caça no meio da escuridão. A balança, como sabemos, é a imparcialidade na decisão. Se esta carta sai num lançamento, significa o desenvolvimento do melhor que há no ser humano, e isto, possibilita a “justiça de Deus”, quando o tempo chega, se a hora é aquela, então o modo de acção revela-se e a justiça faz-se. O Homem distingue-se do animal, pela sua capacidade de decisão racional, diferente do instinto, um julgamento com carácter reflexivo e de racionalização, onde impera a imparcialidade. A ética rege estes princípios, o pensamento deve ser equilibrado e a decisão imparcial, com reflexão e duma forma racional. Esta característica, distingue, na sua essência, os homens dos animais.


Tarot – Eduardo Vilela e 22 telas GENIAIS

Eduardo Vilela – artista plástico, criou 22 telas a óleo inspiradas nos Arcanos Maiores do Tarot.

Cada tela mede 1,30m X 0,90 m e o autor está contactável em evilelaartes@hotmail.com.

As telas estão apresentadas em:

http://www.clubedotaro.com.br/site/galerias/Vilela.asp

Conhecendo de antemão a simbologia dos arcanos maiores do tarot, podemos melhor conseguir apreciar estas telas, são sem dúvida as melhores “cartas” vistas até hoje, simplesmente magníficas. O valor está, não só na pintura em si, mas principalmente o quanto foi conseguido ao ser transmitido na expressão e significados em cada tela, nenhum detalhe foi esquecido. Por aqui, podemos ver o quanto estamos na presença dum artista cuja sensibilidade ultrapassa o vulgar. Simplesmente genial!!!

O Incontido (Louco) no Tarô de Eduardo Vilela

0 – O LOUCO

O Destino (Mago) no Tarô de Eduardo Vilela

I – O MAGO

A Elevação (Papisa) no Tarô de Eduardo Vilela

II – A PAPISA

A Guardiã (Imperatriz) no Tarô de Eduardo Vilela

III – A IMPERATRIZ

O Guardião (Imperador) no Tarô de Eduardo Vilela

IV – O IMPERADOR

A Libertação (Papa) no Tarô de Eduardo Vilela

V – O PAPA

A Harmonia (Namorados) no Tarô de Eduardo Vilela

VI – OS ENAMORADOS

A Potência (Carro) no Tarô de Eduardo Vilela

VII – O CARRO

O Equilíbrio (Justiça) no Tarô de Eduardo Vilela

VIII – A JUSTIÇA

O Reencontro (Eremita) no Tarô de Eduardo Vilela

IX – O EREMITA

O Reajuste (Roda da Fortuna) no Tarô de Eduardo Vilela

X – A RODA DA FORTUNA

A DSeterminação (Força) no Tarô de Eduardo Vilela

XI – A FORÇA

O Ajuste (Pendurado) no Tarô de Eduardo Vilela

XII – O DEPENDURADO

O Ciclo (Morte) no Tarô de Eduardo Vilela

XIII – A MORTE

A Mutação (Temperança) no Tarô de Eduardo Vilela

XIV – A TEMPERANÇA

A Involução (Diabo) no Tarô de Eduardo Vilela

XV – O DIABO

O Portal (Torre) no Tarô de Eduardo Vilela

XVI – A TORRE

A Confiança (Estrela) no Tarô de Eduardo Vilela

XVII – A ESTRELA

A Inconsciência (Lua) no Tarô de Eduardo Vilela

XVIII – A LUA

A Consciência (Sol) no Tarô de Eduardo Vilela

XIX – O SOL

O Arbítrio (Julgamento) no Tarô de Eduardo Vilela

XX – O JULGAMENTO

O Infinito (Mundo) no Tarô de Eduardo Vilela

XXI – O MUNDO