3 – A IMPERATRIZ

Tarot – Carta Dia

A IMPERATRIZ ( DEUSA DEMÉTER OU CERES )  – CASA / ARCANO 3

Esta carta mostra uma mulher grávida, num campo de trigo com uma cascata atrás e um verde que indica fertilidade. No sentido divinatório, pode significar um casamento, um nascimento e aleitamento, abundância, instinto, gravidez e a experiência interior da Grande Mãe, ou seja, a descoberta do corpo como algo valioso. A cascata de água está relacionada com os sentimentos, as emoções, o campo de trigo sugere abundância da terra, o verde a fertilidade, todos estes assuntos são do âmbito da deusa Deméter (gregos) ou Ceres (romanos). Ceres era a deusa da terra, encarregada do ciclo agrícola e da colheita. Na cabeça, a imperatriz carrega uma coroa com formas de casas e castelos, que significa o lar, estável, seguro, lugar de paz e crescimento interno e duma maneira segura, num tempo adequado. Ela também é responsável pelos rituais, quaisquer que sejam, nomeadamente o casamento. No pescoço traz um colar com 12 pedras simbolizando os 12 signos do zodíaco.  Através da carta da impertriz e a sua relação com a Deméter, vemos a correspondência que assinala a consciência de sermos parte integrantes da vida natural que nos rodeia e todo a prazer que daí resulta, através das coisas mais simples da vida. A vida só pode ser gerada, quando a Grande Mãe estiver plenamente integrada dentro de nós, que dá frutos no exacto de dar frutos. A imperatriz é vida.

demeter

Deméter ou Demetra – deusa grega, Ceres – deusa romana Filiação: Cronos e Rhea Irmãos: Zeus, Hera, Poseidon e Hades Filhos: Perséfone (Coré ou Proserpina), Despina, Árion, Pluto

Deméter , deusa da terra cultivada, das colheitas e das estações do ano. É propiciadora do trigo, planta símbolo da civilização. Na qualidade de deusa da agricultura, fez várias e longas viagens com Dionísio ensinando os homens a cuidarem da terra e das plantações. O nome Demeter deriva do grego “mãe da terra” frase antiga e também deu o nome à palavra grega para cereal que são conhecidos como “demetriaka”. Em Roma, onde se chamava Ceres, seu festival era chamado Cerélia e celebrado na primavera.

Hades raptou Perséfone e levou-a para seu reino subterrâneo, Deméter ficou desesperada, saiu como louca Terra afora sem comer e nem descansar. Decidiu não voltar para o Olimpo enquanto sua filha não lhe fosse devolvida, e culpando a terra por ter aberto a passagem para Hades levar sua amada filha, ela disse:

– Ingrato solo, que tornei fértil e cobri de ervas e grãos nutritivos, não mais gozará de meus favores!

Durante o tempo em que Deméter ficou fora do Olimpo a terra tornou-se estéril, o gado morreu, o arado quebrou, os grãos não germinaram. Sem comida a população sofria de fome e doenças. Com a situação caótica em que estava a terra estéril, Zeus pediu a Hades que devolvesse Perséfone. Ele concordou, porém antes, fê-la comer um bago de romã e assim a prendeu para sempre aos infernos, pois quem comesse qualquer alimento nessa região ficava obrigado a retornar. Com isso, ficou estabelecido que Perséfone passaria um período do ano com a mãe, e outro com Hades. Segundo a lenda, quando Deméter encontrava-se com Perséfone, a partir do momento que elas ficaram juntas, a terra florescia e ficava fértil, sendo a primavera. Ao contrário, quando Perséfone ficava com Hades, a tristeza de Deméter destruía a terra de plantas e flores, sendo o inverno.